Vila Sul do Goethe-Institut abre nova temporada


Com o escritor  Boris Pofalla (Alemanha), o diretor artístico de teatro Diol Mamadou (Senegal), a DJ Ipek (Alemanha) e a artista multidisciplinar Paz Ortúzar (Chile), o Goethe-Institut Salvador-Bahia dá a largada para mais um ano do seu Programa de Residência Artística Vila Sul.  Até março, os quatro artistas residentes chegam à capital baiana para vivenciar a rotina da cidade, interagir com suas práticas e agentes culturais, sendo instalados em apartamentos construídos no último andar da sede do instituto, contando com toda sua estrutura física e articulações locais.

Boris Pofalla [Foto por Joseph Wolfgang Ohlert]
Paz Ortúzar [Foto por Benjamín Matte]
Diol Mamadou [Foto divulgação]
DJ Ipek [Foto por Melis Özdil]

A proposta do projeto é fortalecer interlocuções entre o Brasil e demais países do hemisfério Sul a partir da presença de artistas de todo o mundo, genuinamente interessados em perspectivas sociopolíticas e culturais desta metade do planeta. Oficialmente inaugurada em novembro de 2016, a Vila Sul é a terceira residência artística no âmbito geral das 159 unidades do Goethe-Institut existentes no planeta, e primeira e única da rede no “sul global”, abaixo da Linha do Equador.

Residente em Berlim, Boris Pofalla estudou História da Arte e Literatura Geral e Comparativa na Freie Universität Berlin. Durante cinco anos, escreveu para o jornal ‘Frankfurter Allgemeine Sonntagszeitung’ e hoje é autor do jornal ‘Welt’ e da revista de arte ‘Blau.  Já Diol Mamadou é membro administrador do grupo de Teatro Fórum Kàddu Yaraax, uma estrutura criada em 1994, em Dakar, Senegal, para apoiar a mobilização da comunidade contra todas as opressões sociais, como a poluição da Baía Hann, que é a área de residência da associação.

Vivendo entre Berlim e Istambul, queer-living DJ, produtora e curadora, DJ Ipek tem reputação estabelecida nas cenas da vida noturna de todo o mundo. Já performou sua música em diversos festivais e eventos de música eletrônica e mundial.  A artista multidisciplinar Paz Ortúzar é nascida em Santiago, Chile, onde mora e atua. O seu trabalho é uma série de projetos com base em processos que englobam vídeos, objetos, instalações e performances. Através da sua prática, encontra realidades na existência de objetos, ações e narrativas cotidianos; usando materiais comuns, ela tenta descobrir novas ideias em torno das noções de tempo, ciclos e vazio.