‘Tudo Que Você Precisa É Amor’ apresenta nova temporada


O acontecimento cênico Tudo Que Você Precisa é Amor, que traz a palhaça Bafuda Orgância – apresentada pela artista Felícia de Castro – em busca da felicidade e do amor, volta a cartaz dias 04 e 05 de julho, às 19h, e 06 e 07 de julho, às 18h, no Teatro Gregório de Matos (Praça Castro Alves). Essa instalação cênico-performática é fruto de 20 anos em pesquisas e experiências de Felícia de Castro no campo das artes cênicas.

Ancorada na palhaçaria e em sua função sagrada do riso, a obra traz como norte dramatúrgico o ensinamento budista que aborda a busca incessante do ser humano por satisfação e a possibilidade da felicidade ser encontrada dentro de si. Tudo Que Você Precisa é Amor tem o ator, pesquisador e palhaço Alê Casali na direção.

A performance é uma homenagem ao rito da palhaçaria e às mulheres cômicas, pesquisa aprimorada há 10 anos por Felícia de Castro através do projeto Palhaças, Bem-Vindas Sois Vós. “Nos cursos e vivências, várias palhaças nasceram e revelaram mundos interiores, geralmente, muito reprimidos. Estas experiências estão na minha carne e na dramaturgia do espetáculo”, conta a atriz.

Bafuda Orgância é uma palhaça que nasce do riso que habita o ventre da terra e convoca-nos a um encontro tragicômico de luzes e sombras. Partindo da mitologia pessoal da artista à mitologia arquetípica de deusas das antigas culturas matriarcais, o espetáculo é uma celebração da vida, da morte e do amor como a grande revolução.

A atuação de Felícia de Castro como palhaça é marcada pela dança, pelo transbordar de emoções, pelo exagero cômico do corpo e pela expressão do grotesco físico. “A palhaçaria é uma arte que traz uma cura a si e ao mundo. O riso é libertador de luz e harmonia. As palhaças são porta-vozes disso, desde os tempos mais antigos”, realça.

“Nosso ato político é a coragem de encarar nossas profundezas, descolonizar este corpo e ser quem somos em sua máxima potência. Subvertendo a ordem. Assim eu encaro a palhaçaria feminina e a função sagrada do riso. O riso que liberta as emoções presas, afasta o medo, desperta o prazer, e assim é subversivo”, enfatiza Felícia.

Girando ainda a revolução do brincar e a revolução do afeto, dimensões essenciais da palhaçaria, o espetáculo traz como chave a cura da criança e a questão do massacre da infância pelo adoecido mundo adulto. O espetáculo escancara de forma crua, trágica e cômica as profundezas humanas em todo seu potencial para a violência e para o amor.