National Gallery é o primeiro grande museu de Londres a sair do confinamento


AFP

A National Gallery reabriu suas portas nesta quarta-feira, 8, tornando-se o primeiro grande museu de Londres a sair de mais de três meses de confinamento. Para visitá-lo, é preciso fazer uma reserva com antecedência, usar máscara e seguir o trajeto indicado pelas setas.

Diretor da galeria espera receber de 3.000 a 4.000 visitantes por dia (Reprodução)

A princípio, a grande galeria de arte espera receber um quarto de seu número habitual de visitantes, ou seja, cerca de 3.000 a 4.000 por dia, explicou seu diretor Gabriele Finaldi antes da reabertura.

Localizado na Trafalgar Square, no coração de Londres, o museu organiza a visita de suas salas em três trajetos separados para evitar que os visitantes se cruzem.

Também fornece álcool em gel e um aplicativo gratuito que substitui os guias de áudio. “Tínhamos dois objetivos: fazer com que os visitantes se sentissem seguros e tranquilos, mas também fazer com que fosse uma experiência agradável”, explica Paul Gray, presidente do museu, garantindo que os visitantes, mesmo nos trajetos obrigatórios, poderão tomar seu tempo para apreciar as obras.

O tempo de abertura foi reduzido de oito para cinco horas por dia, mas se houver alta demanda poderá ser estendido, afirma Gray. É “um problema que agradeceríamos”, brinca.

O museu fechou em 18 de março, pouco antes do confinamento geral em 23 de março em todo o Reino Unido, e suas finanças foram seriamente afetadas pela falta de atividade.

Em resposta aos pedidos de ajuda do setor cultural, o governo de Boris Johnson anunciou no domingo que fornecerá 1,57 bilhão de libras (US$ 1,96 bilhão, 1,735 bilhão de euros) em doações e empréstimos às instituições culturais britânicas.