Diretoras africanas debatem o cinema da diáspora


Uma sessão especial e uma masterclass trarão uma pequena mostra da produção cinematográfica da Nigéria e do Quênia ao XIV Panorama Internacional Coisa de Cinema. Um longa de ficção e vários curtas de animação serão exibidos nessas duas atividades, realizadas em parceria com a Mostra Cinemas Africanos. Com curadoria de Ana Camila Esteves e Beatriz Leal, a Mostra acontece ainda este ano em Salvador e exibirá produções de diferentes regiões do continente africano.

B for Boy mostra uma mulher de classe média fortemente pressionada pela família para ter um filho homem (Foto: Divulgação)

Trabalhando com cinema há dez anos, a nigeriana Chika Anadu vem a Salvador para apresentar o seu primeiro longa-metragem, B for Boy (M de Menino). Resultado de um processo criativo que incluiu residências nos festivais de Cannes e de Berlim, o filme mostra uma mulher de classe média fortemente pressionada pela família para ter um filho homem. O longa revela a discriminação sofrida pelas mulheres nigerianas em nome da cultura e da religião, e será exibido em 19 de novembro, às 17h50, no Espaço Itaú de Cinema Glauber Rocha, sede do Panorama em Salvador.

Mestre em animação pelo Royal College of Art (Londres), a queniana Ng’endo Mukii realiza a masterclass Taxidermia Fílmica da Animação, dia 18, às 15h50. Ela defende esta linguagem como meio para representar sua herança cultural e como forma de resistência às narrativas coloniais, ao racismo e aos estereótipos.

Queniana Ng’endo Mukii exibe sua obra mais conhecida, Yellow Fever (Foto: Divulgação)

Ao longo da explanação, Ng’endo exibirá dez curtas de sua autoria, incluindo sua obra mais conhecida, Febre Amarela (Yellow Fever), e Marielle Franco, uma homenagem à vereadora brasileira assassinada em março deste ano, no Rio de Janeiro. A cineasta está em Salvador integrando o Programa de Residência Artística Vila Sul do Goethe-Institut Salvador.

Chika e Ng’endo irão integrar a mesa Mulheres no Cinema Negro e Diaspórico, onde conversam com o público sobre o lugar das mulheres negras na produção audiovisual africana e diaspórica, considerando desde questões que vão da autoria ao mercado. Na atividade, programada para as 15h50 do dia 19, as cineastas abordarão a relação com seus territórios de origem e os reflexos disso em suas obras, bem como seus processos de produção e financiamento e os desafios para a profissionalização.

O XIV Panorama acontece de 11 a 17 de novembro em Cachoeira (Cine Theatro Cachoeirano) e de 14 a 21, em Salvador. Na cidade do Recôncavo, o acesso à programação é gratuito, enquanto na capital baiana, os ingressos custarão R$ 12 e R$ 6 (meia).